Image

DESAFIOS: COMO ALCANÇAR MELHORES RESULTADOS

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Quantas vezes você já ouviu a palavra “resultado”? Remuneração por resultados, gestão por resultados, resultado financeiro, resultado das vendas etc.

Agora pense: "O que, de fato,  é 'resultado'?"

Resultado é a resposta a um desafio.

Imagine qualquer desafio imposto sobre si. A resposta a ele - boa ou não - irá produz um resultado.  Qualquer um: bom ou não. 

Se este desafio for maior do que a sua habilidade de resposta, o resultado produzido negativo.

Por outro lado,  se a sua resposta for maior que o desafio, o resultado será positivo.

Não havendo resposta, é óbvio, o resultado será nenhum.

Uma meta de crescimento nas vendas de 50% sobre o mês anterior em meio a uma economia em recessão é, sem dúvida, um desafio normalmente maior do que a capacidade de resposta dos vendedores. Provavelmente o resultado será negativo – a menos que algo seja feito para alinhar a capacidade de resposta ao desafio, por exemplo, reduzir o preço do produto ou aumentar o prazo de pagamento.

Todas as pessoas mentalmente normais desejam produzir resultados positivos. É da natureza humana almejar o sucesso. Para que isso seja possível só há duas possibilidades.  Ou se reduzem os desafios, ou se aumenta a habilidade de dar resposta.

Suponha que você  tenha um compromisso marcado para as 9 hs e deseje chegar a tempo.  O seu desafio poderá ser o trânsito caótico por volta das oito e meia. Portanto, responder à altura deste desafio consiste em sair mais cedo de casa. Outra posssibilidade bem mais cara seria alugar um helicóptero.

A melhor resposta aos grandes desafios da vida e do trabalho é a nossa capacitação. Quanto mais nos dedicarmos a melhorar as nossas competências individuais, mas prontos estaremos a dar respostas à altura ou superiores aos problemas e adversidades que nos sobrevierem. Isto é o que nos fará, enfim, realizar e acumular os melhores resultados.

Ler Mais

Image

TENHA OUSADIA PARA REALIZAR GRANDEZAS

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

“Alguém tem alguma sugestão?”

Quem já não ouviu isso durante uma reunião? O dirigente – ou moderador –  está falando sério.  Ele realmente quer saber se o grupo tem alguma ideia nova ou insight para compartilhar.

E a resposta? Quase em 100% dos casos: silêncio, troca de olhares, mãos mexendo nos papéis e, ainda assim, silêncio!

Eu observo isso em muitos lugares. Em todos os casos, pensei: “Toda essa gente respeitada, com excelente formação, cargos e altos salários, e ninguém disposto a contribuir de alguma maneira?! Duvido que não saibam!”

No entanto,  quando o dirigente da reunião conquista ao menos um pouco de confiança, alguém se manifesta. E após este "alguém",  os demais acabarão se pronunciando até que, finalmente, a sala estará cheia de uma energia geralmente positiva e percebida por todos. 

Sabe o que se passou aí? Todos tiveram a chance de ser humanos, de quebrar o silêncio e compartilhar ideias e visões. O resultado será muito superior.

De repente, todos os participantes se tornaram capazes de ver, analisar e de resolver as coisas. Sim, porque todos são capazes de ter paixão. Todos podem se importar o bastante para fazer alguma proposta, desde que joguem fora o freio ou a auto-censura que os mantém em um nível  de baixa cooperação.

Por que ninguém se manifestou antes? Por que aquele silêncio mortal?

É óbvio que o dirigente pode despertar o entusiasmo e o desejo de cooperação através do desenvolvimento daquela “confiança” a que me referi acima. No entanto, eu lhe aconselho a  tomar consciência definitiva de um fato: você pode fazer a diferença. Você pode ser ousado(a) e mudar o estado das coisas muito mais do que está disposto(a) a admitir. Você é capaz de pensar, sugerir, participar, colaborar e, por fim, fazer arte – com educação, respeito e  contentamento pessoal.

Então ouse ... e realize!

Ler Mais

Image

FAÇA A COISA CERTA PELOS SEUS CLIENTES

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Cliente de um banco há muitos anos, uma senhora idosa entra na agência e procura informar-se sobre um comunicado impresso que recebera em sua casa. Ela fala com uma funcionária que lá está para orientar clientes:

— Por favor, moça, onde eu posso resolver este problema?

A funcionária examina o documento, e diz:

— A senhora pode dirigir-se à bateria dos caixas. Caso não consiga, vá até a plataforma de atendimento. Ali eles verão o que fazer.

A velha, cheia de dúvidas, ficou alucinada com as expressões que a moça usou. Ela não entendeu nada. Sua reação? Começou a discutir desesperadamente com a atendente.

É claro. Que história é essa de “bateria dos caixas”? E “plataforma de atendimento”? Trata-se de um banco, não uma base de lançamento de foguetes.

Você acha que a funcionária ajudou?

Felizmente o gerente da agência interviu. Atendeu a senhora e tudo acabou bem, como devia ter começado.

Conheço uma rede de lojas de varejo onde os caixas são as criaturas mais grosseiras deste planeta. O tempo todo eles parecem revoltados. Eu soube que a empresa paga baixos salários a seu pessoal e não tem critérios relevantes de seleção. A rotatividade, consequentemente, é imensa.

Isso torna tudo muito difícil.  Especialmente para os clientes que lá compram por preferência.

Se  o responsável por Recursos Humanos não define corretamente o perfil da função, não tem disposição para selecionar e ainda  desconhece os salários do mercado a fim de alinhar os de sua empresa, jamais poderá exigir atendimento adequado.  E mesmo quando fizer tudo isso, restará a sagrada e indispensável tarefa de treinar bem os funcionários.

Custa pouquíssimo informar os colaboradores sobre o papel que devem desempenhar; e quase nada mostrar a eles a prática de como isto deve ser.  No outro prato desta balança, perder um cliente custa bem mais do que se imagina! Então, como cliente e amigo eu lhe peço: “Faça a coisa certa, por favor!”

Ler Mais

Image

VOCÊ ACHA SIMPLES APRENDER COM OS ERROS?

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Aprender com os erros é uma sabedoria indiscutível.  Na maioria das empresas que conheço, os gestores querem francamente ajudar a organização a aprender com os erros a fim de se ter um desempenho cada vez melhor. Mas por que quase nunca funciona?

Os executivos com quem falei acham que aprender com o erro é simples: basta pedir aos outros que refletitam sobre o que fizeram de errado e exortá-los a evitar erros semelhantes no futuro. Pode-se ainda analisá-lo, redigir um relatório sobre o ocorrido e, em seguida, distribuí-lo por toda a empresa.

Mas esse algoritmo não funciona. Por quê?

Primeiro, porque aprender com um erro organizacional é tudo, menos simples, já que as empresas mal conseguem detectar os erros que ocorrem. E se elas nem os detectam, que dirá analisá-los ou descobrir suas causas a fim de se chegar à correta aprendizagem!?!

O segundo motivo é que na maioria das famílias, organizações e culturas, o erro e a culpa são duas situações que andam juntas.  A certa altura, toda criança descobre que admitir um erro significa pagar por ele. É por isso que tão poucas organizações migraram para uma cultura de segurança psicológica em que seja possível colher o benefício de aprender com o erro. Ao mesmo tempo em que se deseja aprender com os erros, aquele que errou tem de pagar pelo que fez. Isto gera evasão, fuga ou mesmo a famosa “operação abafa” para que o chefe não saiba.

Portanto, a oportunidade encontra-se na coragem. Refiro-me a coragem para encarar as nossas falhas e as dos outros. Isto é crucial.

Como fazer isto?

O gestor deve pedir ao pessoal que seja corajoso e “abra o jogo” — e não reagir com fúria ou reprovação àquilo que, à primeira vista, pode parecer incompetência.  Aquele que criar atmosfera de diálogo, detectar, corrigir e gerar aprendizagem real com o erro antes dos demais irá triunfar. Já, quem ficar chafurdando na lama da culpa, jamais colherá benefício algum e será enganado a vida toda! 

Ler Mais

Image

A RELAÇÃO ENTRE DIZER 'NÃO' E A PRODUTIVIDADE PESSOAL

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Ouço queixas de gerentes e executivos em empresas por suas vidas estarem dispersas e sem rumo. Eu sei exatamente o que acontece com todos eles. Eles se sentem drenados pelas solicitações de pessoas que aparecem à porta de sua sala dizendo: “Tem um minuto?” Após isso, eles veem um dia inteiro ir embora sem produzir nenhum fruto.

A solução para este problema está na Bíblia.

O Rei Salomão disse que a diferença entre o homem e o animal é nula. Quando fui pesquisar o texto original, descobri algo fantástico. Ao pé da letra,  o que o homem mais sábio do mundo disse, foi: “Pois a diferença entre o homem e o animal é ‘não’”.

Traduzindo. Só o homem tem a seu dispor a faculdade de dizer “não” frente a algo que o ameace ou o ponha sob risco. Um animal diabético não se recusa a comer doces. Mas um homem, se quiser, sim.

Olhe para uma turma de estudantes colegiais. Aqueles que dizem “não” ao comportamento de manada predominante no grupo serão os líderes no futuro.

Aprenda a dizer “não” nas ocasiões em que você estiver impossibilitado ou que o ameaçarem a tirá-lo fora dos seus objetivos. E quando aprender a fazê-lo, ensine aos demais à sua volta. Focar no trabalho depende de dizer não a muitas coisas não importantes.

Na vida é preciso saber o que se quer. Nada se consegue sem isso – nem mesmo os frutos de um só dia de trabalho!

Ler Mais

Image

O FUTURO DA PROFISSÃO DE ADVOGADO

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Eu  estou convencido de que a maioria dos advogados opta pelo exercício da advocacia com o mais nobre dos ideais, com amor pela justiça e pelo estado de direito, com desejo de prosperar financeiramente e proporcionar uma vida plena de oportunidades para si mesmos e suas famílias, além de um desejo sincero de servir à humanidade.

Muitos obtêm sucesso ao trabalhar ancorados nesses ideais e desfrutam de carreiras notáveis. Muitos socorrem e apresentm soluções criativas para os clientes.

No entanto, à medida que jovens advogados são sugados pelas turbulências do escritório, da sociedade e das disputas com a parte adversária, muitos se desconectam destes ideais. Eles separam sua vida profissional de sua vida privada e, muitas vezes, se sentem emocional, mental e espiritualmente vazios.

Eu acredito na transformação destas e outras situações negativas da profissão do advogado pela “resolução alternativa de litígios” em que pessoas se reúnem com um mediador ou um árbitro, em vez de irem aos tribunais.

Estes mediadores estão mais interessados em como resolver o problema do que em quem ganha ou quem perde. Eles também trabalham para preservar o relacionamento entre as partes.

Um mediador habilidoso pode transformar um divórcio difícil em um arranjo possível, a partir do qual as partes possam seguir com suas vidas e cooperar quanto à guarda dos filhos, à partilha de bens e assim por diante.

Minha sugestão aos interessados neste tema é que leiam sobre os trabalhos de Mahatma Ganhi, um dos maiores mediadores em grandes causas da História.

Ler Mais

Image

EFICIÊNCIA: NÃO JOGUE NA LOTERIA

ABRAHAM SHAPRO para o Portal Profissão Atitude

Um gerente eficiente é “aquele que faz certo as coisas que têm de ser feitas”. Não é difícil.  Exige dedicação. E esforço.

Nas empresas, muitos funcionários desejam ser eficientes e acreditam que serão. Mas muitas vezes eles se deparam com um problema: a falta de clareza de seus gerentes sobre o papel que têm de cumprir.

Quando perguntamos ao funcionário o que é que ele faz e repetimos a mesma pergunta a seu chefe, não raramente conseguimos duas diferentes listas de encargos. Em muitos casos, o fato do colaborador pensar o mesmo que o chefe é mera coincidência. Por isso é comum que o funcionário se meta em enrascadas.   Ele não faz ideia clara e objetiva tanto de suas reais obrigações quanto dos resultados que deve alcançar.  Então ele supõe e age por esta suposição.

O efeito é desastroso.

Mas pensemos o contrário. Quanto se poderia conseguir investindo o devido tempo em esclarecer o que se espera do empregado? Quanta eficiência se obteria disso? E também produtividade.

Fala-se tanto em atendimento para a satisfação do cliente! Mas como conseguir sem que, antes, o colaborador saiba o que é este atendimento, o que fazer, como e quando fazer? E no momento em que souber, as chances de desempenhá-lo serão grandes, porque pessoas normais querem atingir resultados por aquilo que fazem.

Não é mágica. É só  entender que se o funcionário não receber instruções, ele fará qualquer coisa que achar certo. Aí, caro leitor, se você tiver sorte de que ele faça exatamente o que se espera dele, melhor seria jogar na loteria.

Ler Mais

Image

A VERDADE SOBRE A LIDERANÇA

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Amigos leitores. Eu me cansei deste lero-lero sobre liderança na carreira profissional. Eu escuto esta palavra nas empresas muito mais vezes do que “bater metas” ou “ter competências”.

Parece que todo mundo está desesperadamente preocupado em ser líder a qualquer custo. Que mundo seria este em que todos são líderes?

E quando eu pergunto o que pensam sobre isso, o que ouço é uma série de absurdos e bobagens -  para não dizer ignorânciaS – indicativas de uma grande e profunda confusão mental sobre o conceito.

Preciso dizer que líderes  não são aqueles que conquistam grandes posições nas hierarquias. Esta visão de liderança é produto da Era Industrial e está ultrapassada há muito tempo.

O líder de hoje é aquele que tem capacidade de conduzir sua própria vida por um caminho de valores e de cooperar com todos à sua volta  – no trabalho, junto dos amigos, na família etc. Um líder é a força ativa e criativa de seu próprio mundo.

Um líder verdadeiro define e alcança o sucesso permanente desenvolvendo sua personalidade e suas competências com base em princípios e valores. Ele não espera que outros definam o sucesso em seu lugar.  Ele se vê como talento único e por este fato com ninguém compete, a não ser consigo mesmo. Então ele se torna único e exclusivo, e, portanto, pode leiloar sua capacidade de realização até obter a melhor oferta.

Um líder cria seu próprio futuro.

Se isto lhe interessa, estude, aprenda e viva.  Tenha atitudes e seja um exemplo.  Antes disso, saiba que cursinhos de liderança nada farão por você se não deixá-lo mais pobre. Em lugar de pagar a quem não sabe fazer outra coisa senão iludir pessoas e tomar seu dinheiro, vá a um show de mágicas. O efeito final é o mesmo, porém bem mais divertido.

Ler Mais

Image

É HORA DE DESPERTAR

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Há uma regra que diz: “É preferível fazer algo a não fazer nada”. Bem, nem sempre. Se você estiver em vias de assaltar um banco para torrar todo o dinheiro em pizza,  será interessante pensar noutra forma de comer pizzas.

Em termos gerais é comum nos arrependermos mais daquilo que não fizemos do que das situações em que atuamos.

Toco neste assunto porque vejo muitas pessoas começarem a pensar em deixar um legado só no fim da vida. Se você ainda não chegou a esse ponto, que tal pensar desde já no que deseja deixar para os outros? Depois disso, você poderá viver com esta visão em mente.

Se não souber dar o primeiro passo, pense naquilo que mais o(a) motiva. O que faz você se levantar todas as manhãs? O que é que mais o(a) entusiasma a fazer?  

Ouvi a história de um cacique famoso por curar insônia. Um executivo estressado que não conseguia dormir finalmente encontra este líder indígena na floresta e lhe pede ajuda. O cacique dá suas instruções e duas semanas mais tarde o executivo envia uma correspondência dizendo que foi curado.

- “Muito obrigado! Tenho dormido muito bem!”, diz o recado.

Então o cacique manda sua resposta, em que diz:

- “Sem problemas. Volte quando estiver pronto para acordar”.

Moral da história: Não vale a pena levar a vida sem a consciência de um propósito. Se você estiver vivendo como um sonâmbulo, chegou a hora de despertar.

Ler Mais

Image

EVITE DISCUSSÕES A TODO CUSTO

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Não discuta.  Tome atitudes que demonstrem a sua convicção em lugar de discutir.  

Sabe por quê?  Vencer uma discussão é a vitória mais enganosa que existe. O ressentimento e a má vontade que você desperta são mais fortes do que qualquer mudança momentânea de opinião.

Quando um funcionário discute com seu  superior, por exemplo,  coloca em dúvida a inteligência de alguém mais poderoso. Ele se esquece com quem está falando. Além disso, todo homem acredita estar certo.  Então, não há palavras que o convençam do contrário. Argumentar é lançar palavras em ouvidos surdos.

Em lugar de discutir, aprenda a demonstrar a convicção das suas ideias indiretamente. Julgue  os seus movimentos pelos efeitos a longo prazo sobre as outras pessoas. Porém, jamais entre na rota de provar que está certo ou de conseguir uma vitória com argumentos. Você não sabe como vai afetar as pessoas com quem está discutindo, ainda que pareçam concordar por educação.

Fazer os outros concordarem com você por suas atitudes, sem dizer nada, é mais eficaz.

Palavras custam um tostão o quilo. No calor da discussão, nós todos falamos qualquer coisa para defender a nossa causa – citamos a Bíblia, mencionamos estatísticas não averiguáveis e filosofamos. Mas isso é como palha ao vento. Portanto, escolha o melhor caminho: demonstre, não argumente.

 

Ler Mais

Image

O PROBLEMA É O CLIENTE

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Numa produtora de vídeos, o editor cometeu uma série de falhas. Quando o chefe constatou os vários defeitos, questionou o funcionário sobre o que havia acontecido. O rapaz apresentou uma avalanche de desculpas e concluiu dizendo que o problema não estava nele e nem nos demais colegas que faziam parte do projeto, mas sim no cliente.

Sem acreditar no que acabara de ouvir, o chefe pediu que repetisse. E o funcionário novamente disse:

- “O problema é o cliente!”

Não sei com você, mas isso mexe com os meus nervos.

Para quê existe qualquer negócio neste planeta? Phillip Kotler, um dos papas do Marketing, responde: “De modo bem simples, podemos dizer que um negócio supre necessidades lucrativamente”.

De quem seriam estas necessidades? Ora. São as necessidades dos clientes.

Sem clientes negócio algum existe ou subsiste. Mas aquele editor de vídeos chegou ao cúmulo de dogmatizar que “o problema é o cliente”.

Creio que, do jeito como a concorrência anda brutal, os negócios escassos e as margens apertadas, muito em breve chegará o dia em que um doido que afirme uma insanidade dessas será surrado em praça pública. E a meu ver, este aí até que merecia já.

Mas enquanto estúpidos vagueiam impunes a dizer tolices por aí, minha dica ao chefe deste pseudo-profissional  é que o demita sumariamente e lhe pague todos seus direitos, já que a lei deste país não chegou à maturidade de reconhecer que o desrespeito à “majestade do cliente” é  situação inegável e legítima de demissão por  justa causa!

 

 

Ler Mais

Image

DEIXE A AMIZADE DE LADO AO FAZER NEGÓCIOS

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Antonio devia para João R$ 300 mil quando faliu. “Quebrou no talo” – como falam por aí. João não tinha mais esperanças de receber.

Certa noite, quase à uma hora da manhã, Antonio liga para João dizendo estar interessado em acertar sua dívida.

João o recebe em casa àquela mesma hora. A conversa se estende por mais de trinta minutos e Antonio propõe um acerto do débito por 50% do total.

João pensa: - “Entre perder tudo e receber apenas a metade.... está excelente.”

Mas Antonio prossegue o debate.  Chora mais um pouco, explica sua penúria e os dois acabam fechando tudo por 60 mil, que seriam pagos às 11 hs do dia seguinte.

Chega a hora. João vai ao escritório de Antonio, ávido por receber os 20% da dívida original.  Está conformado, já que o montante já estava no prejuízo!

Antonio aparece e diz:

- Você vai me desculpar, João, mas estou sem condições de lhe pagar o que acordamos.

- “Como assim?” – responde o credor, indignado.  “Você aparece em casa à uma da manhã, falamos por longo tempo, negociamos, fazemos um acordo e agora você diz que não irá pagar? Por que fez tudo isso, então?”

E Antonio conclui:

-  “Sabe o que é? Eu não consiguia dormir enquanto devia 300 mil reais a um amigo. Mas já com uma dívida de R$ 60 mil foi mais fácil pegar no sono.”

A lição? Amigos, amigos; negócios à parte!

Ao fazer qualquer negócio, ancore-o sobre uma base segura. Tenha critérios para conceder crédito. Se não os tiver, você acabará vítima de todas as circunstâncias e exceções.... e não terá a quem reclamar.

Ler Mais

Image

JAMAIS DESISTA DA VIDA E DE CLIENTES

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Fui analisar a carteira de clientes inativos de uma empresa. Sabe o que encontrei?

Não havia nenhum que estivesse definitivamente rompido. Na verdade, quase todos os nomes daquela lista eram clientes de quem os vendedores da empresa, sim,  haviam desistido.

Eis aqui uma das principais causas de perda de clientes nas empresas: os vendedores os visitam – uma, duas, três vezes –, e por receberem sucessivos “nãos”, simplesmente desistem de prosseguir visitando-os.

A regra de ouro da venda enuncia: “Nunca desista de um cliente!”

Se o seu produto ou serviço é de boa qualidade, os processos de entrega são pontuais e os preços competitivos, não há motivo algum para abandonar um cliente – mesmo quando ele não compra de você por meses ou anos.

Ao contrário. Prossiga a rotina de visitá-lo.  Mostre a ele as suas vantagens, benefícios e  acima de tudo, a excelente oportunidade que ele terá quando tiver acesso ao valor que a sua empresa transfere a quem faz negócios com ela. E também os valores do seu atendimento e acompanhamento.

Só não desista.

Marque nova agenda. Fale de diferentes maneiras o que precisa ser dito e busque persuadi-lo através da oferta de uma oportunidade a ele. Você e a sua empresa são as oportunidades que estão sendo oferecidas. Nada de “pedir uma oportunidade” – isto é mendicância e negócio não é caridade.

Um excelente vendedor caracteriza-se pela persistência. E você deve ter esta competência como a sua principal marca – custe o que custar!

Ler Mais

Image

LOGOTIPO OU LOGOMARCA? QUAL A PALAVRA CORRETA?

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Logotipo? Ou logomarca?

Muita gente – e até profissionais – hesitam na hora de escolher a palavra certa.

Pela etimologia, logotipo é a forma correta, porque “logo” também se traduz por símbolo, e “tipo” é forma, objeto.

Tudo bem. Mas se é simples assim, de onde vem a palavra logomarca, tão amplamente usada?

A profissão de Designer está em pleno desenvolvimento no Brasil.  Existem muitos profissionais atuando nesta área e eles usam várias palavras ao descrever seu trabalho. Duas delas, por exemplo, são:  layout  e  mockup. 

Eles criaram a palavra logomarca e ela foi se infiltrando no vocabulário. Hoje é usada livremente, mesmo durante o processo de criação de logotipos.

Há quem argumente que logomarca é o que devia ser usado por causa da junção do nome da empresa ao símbolo na identidade visual, como é o caso da Coca-Cola.

O que mais importa, no entanto, é que logotipo não é apenas um desenho fofo que o seu sobrinho, que mexe com essas coisas de computador, sabe fazer muito bem.

Um logotipo é a cara que a sua empresa vai mostrar na rua. É o primeiro contato do seu cliente com o seu negócio. Então, todo cuidado estético, técnico e mercadológico é mais que necessário para que a sua mensagem seja transmitida e desperte o interesse no público ao qual ela se dirige.

E, finalmente, não posso deixar de lembrar um pequeno, porém, importante detalhe. Em se tratando de design: rápido, bom e barato são três atributos que dificilmente andarão juntos.

Ler Mais

Image

UM PROBLEMA SÉRIO CHAMADO 'PERFECCIONISMO'

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Um dos grandes livros da administração da minha biblioteca ensina o seguinte:

“Quando se delega e tudo funciona bem, duas coisas acontecem simultaneamente. Primeiro, os seus funcionários assumem parte de seu trabalho e, por sua vez, desenvolvem as habilidades e o potencial deles. Segundo, ao delegar, você reserva tempo e espaço para se dedicar a aspectos mais importantes do seu trabalho, a fim de realizá-lo com sucesso.”

Todo gerente sabe que é preciso delegar tarefas aos subordinados. Muitos, no entanto, não conseguem. As causas são várias. Uma delas é a principal: é uma fraqueza de personalidade destes gestores. E o nome desta fraqueza é perfeccionismo.

Não! Ser perfeccionista não é virtude e nem é bom – na maioria das situações.

Todo perfeccionista vive inseguranças emocionais e tem visão fraca de si mesmo.

Em quase todos os casos, um perfeccionista seleciona e implementa processos com excesso de detalhes e age como controlador desconfiado não por razões técnicas, mas porque isso o faz sentir-se útil e importante.

Ele teme que seus funcionários duvidem de sua competência. Então terá a sua volta funcionários que o admiram, porque tentarão agradá-lo o tempo todo.

Por agir assim, você o verá demitir injustamente colaboradores valiosos e qualificados para a empresa pelo simples fato de não corresponderem a seus padrões. E o pior é que eles irão  correndo para atuar nos concorrentes,  com grandes chances de promoverem acusações de assédio moral ou constrangimentos.

Se você se identifica com esta descrição, busque rápido um tratamento,  pois, como ensina a sabedoria, perfeição, neste mundo, é uma jornada, e não um destino ou ponto de parada específico.

Ler Mais

Image

CRIATIVIDADE E SIMPLICIDADE

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Em várias das minhas palestras, peço às pessoas que se consideram criativas que levantem a mão. Nunca o número de mãos levantadas corresponde a um quarto dos participantes.

Depois pergunto quantas, quando crianças, eram capazes de inventar coisas como: nomes para suas bonecas, uma brincadeira nova ou até uma boa história para os pais quando não tinham coragem de dizer a verdade.

E agora todas as mãos se levantam.

Isso me faz pensar. Qual é a diferença?

Como é que você “fazia de conta” quando era pequeno, mas não consegue ser um adulto criativo?

A resposta é que nós colocamos um peso gigantesco sobre a palavra “criativo”, como se fosse algo extraordinário e inatingível. “Picasso e John Lenon eram criativos.  Roberto Carlos é criativo. Mas eu?”

Uma das formas de começar a criar metas e planos de ação para a vida e para o trabalho é simplesmente inventá-los, do jeito como você fazia quando criança.

Pense no ato de criar como sendo simples, como algo que todos os seres humanos fazem com a maior facilidade por ser sua natureza. Siga a orientação do psicólogo francês Émile Coué: “Sempre considere fácil o que você precisa fazer, e assim será”, porque a nossa semelhança com D-us consiste exatamente nisso: em sermos criativos!

Ler Mais

Image

PROBLEMAS SÃO BÊNÇÃOS

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

 

Para toda solução há um problema. Você já deve ter ouvido isso antes. Mas por que as pessoas dizem  que detestam problemas? Por que desejamos uma existência sem obstáculos?

Lá no fundo, onde mora a nossa sabedoria, sabemos que os problemas são benéficos para nós.  De algum modo também entendemos que eles fazem bem para os nossos filhos.  Mas nós nos comportamos de forma tão irracional diante deles que tendemos a fugir em vez de lutar para resolver e superá-los. E com isso, eles passam a nos parecer monstros vivendo embaixo da cama.

Problemas não são maldições. Não precisamos temê-los. Eles são como jogos difíceis para a mente. E você sabe que mesmo os grandes mestres do xadrez, por exemplo, sempre ficam ansiosos por uma partida.

O Dr. Andrew Weil foi um dos maiores estudiosos sobre a cura natural e considerado um guru dos médicos americanos. Ele sugeriu que encarássemos até mesmo a doença como uma dádiva. Em um de seus textos, ele escreve: “A doença pode ser um estímulo tão poderoso à mudança que às vezes é a única coisa capaz de forçar algumas pessoas a resolverem seus conflitos mais profundos.”

Enquanto você encarar os seus problemas como maldições, será difícil encontrar a motivação que você procura na vida. Por outro lado, aprendendo a amar as oportunidades que os seus problemas lhe apresentam, a sua energia motivacional certamente vai aumentar e será mais fácil você atingir os seus objetivos.

Ler Mais

Image

A MISSÃO DA EMPRESA E A SIMPLICIDADE QUE ELA REQUER

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Em 1998, Larry Page e Sergey Brin eram alunos de doutorado na Universidade de Stanford. Eles fundaram uma empresa de busca na Internet à qual deram o nome Google. Para quem não sabe, o nome desta empresa brinca com um termo matemático, o googol que significa o número 1 seguido por 100 zeros. Este nome foi dado como referência à enorme quantidade de dados online que a empresa ajuda os usuários a encontrar. 

A razão por eu estar falando sobre o Google tem menos a ver com a empresa em si do que com todas as demais à nossa volta, especialmente aquelas que escrevem longos e complicados discursos em sua MISSÃO CORPORATIVA, e que acabam desconhecidos por seus funcionários. 

Você sabe qual é a missão do Google? “Organizar a informação do mundo e torná-la universalmente acessível e útil”. 

Não é incrível? Você e eu, que utilizamos esta ferramenta “n” vezes ao dia, sabemos que esta missão é a mais autêntica e transparente verdade.

Desde o início, o Google tem se esforçado em ser um dos “mocinhos” no mundo corporativo, apoiando um ambiente de trabalho sensível, fortemente ético, e um famoso slogan que diz: “Não seja mau”.

Grandeza e simplicidade são dois atributos que andam juntos sempre. Aliás, quando uma empresa é complicada, ainda que pareça grande no tamanho, sua complexidade é o sinal ou prova de que não há ali grandeza alguma. Muito pelo contrário. 

Ler Mais

Image

FRASES MEMORÁVEIS DE GERENTES TONTOS

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Os gerentes de empresas sa~o, em geral, uma ótima fonte de citac¸o~es memora´veis. Eu destaco algumas que tenho ouvido nas minhas consultorias.
 
- “A partir de amanha~, os funciona´rios so´ podera~o ter acesso ao pre´dio usando o cracha´ individual de seguranc¸a. As fotos sera~o tiradas na pro´xima quarta-feira, e cada funcionário receberá sua identificac¸ão dentro de duas semanas.”
 
Incrível, não? 
 
Outra:
 
- “O que eu preciso e´ de uma lista dos problemas desconhecidos que temos de enfrentar.”
 
E que tal esta: 
 
- “E-mails na~o devem ser usados para transmitir informac¸o~es ou dados. Devem ser usados apenas para os nego´cios da empresa.”
 
Tenho uma espetacular.  Aqui vai: 
 
- “Este projeto e´ ta~o importante que na~o podemos deixar que coisas mais importantes o atrapalhem.”
 
E finalmente: 
 
- “Sabemos que ha´ um problema de comunicac¸a~o, mas a empresa na~o vai discutir isso com os funciona´rios.”
 
E sabe o é pior?  Muitos dos que verbalizam incoerências como estas – ou até piores –, acham-se as criaturas mais importantes e insubstituíveis do planeta. 
 
Um pouco só de humildade já lhes faria bem demais e salvaria suas empresas. 
 
 

Ler Mais

Image

O VENDEDOR BONZINHO

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Existem vendedores de todo tipo, creia-me. Um deles é o “gente boa”, que cria amizade profunda com o cliente e acha que pode fazer tudo por ele – o que deve e o que não deve.

Amizade é coisa complicada. Não dá para ter mesmo nível com todos. Que dirá se você atende 60 ou 100 clientes por mês!?!

O vendedor “gente boa” é criativo, interessante, comunicativo e encantador quando está junto do cliente. Promete muito, compromete-se com tudo e é flexível. Mas, geralmente não cumpre, não faz e não acompanha.

O cliente suporta a primeira e a segunda vez. Mas na terceira, já não confia mais.

Este vendedor é como aquela garota bonita, mas namoradeira. Você se apaixona e quer casar-se.  Mas quando chega, ela já está com outro e você descobre que nunca foi séria e não serve para casar.

Ouça o que fez o Francisco, um vendedor muito “gente boa”. Ele demitiu-se de uma empresa e levou consigo sua carteira de atendimentos para a outra onde ia trabalhar, acreditando que os clientes eram seus amigos e lhe dariam preferência na compra.  Mas tomou um banho de água fria quando não conseguiu pedidos, mesmo com preço menor e prazo maior.  Os clientes queriam comprar da empresa anterior,  e lhe diziam:

-  “Chico, você é meu amigo. Mas o que importa em vendas é o resultado. O seu produto é mais barato. Mas o outro tem giro e agrada mais o público. Sinto muito, mas não vou fechar com você. Vamos tomar um cafezinho?”

Quase sempre é isto o que se passa com o vendedor “gente boa”. Fala demais, acha demais, porém, quando se analisa os resultados, seu esforço deixa a desejar por falta de planejamento e principalmente de atitude assertiva em relação a negócios.

 

Ler Mais