Image

NÃO DEIXE O FUNCIONÁRIO ADIVINHAR NADA

Abraham Shapiro

Os cargos mais altos de qualquer empresa são ocupados pelos que tomam mais decisões. São eles os que mais ganham, também. Não é coincidência.

Cada decisão pequena ou grande tem o poder de tornar boa uma estratégia ruim...  ou de destruir uma estratégia razoável. Daí  porque as decisões são o maior diferencial de qualquer função.

Todos os colaboradores tomam muitas decisões no dia a dia. Mas a maioria é fraca. Quando as decisões fortes são tomadas por pessoas despreparadas, a empresa está sob risco terrível. 

É impossível dispor de um sistema que garanta que todos saberão o que decidir a cada instante. Mas pode-se criar uma cultura pela qual os colaboradores aprenderão a tomar decisões certas gradativamente. Isto será uma excepcional vantagem sobre a concorrência.

Treinar é o primeiro passo. Um bom treinamento é aquele que apresenta a empresa aos funcionários de um modo como eles nunca viram antes: aspectos da história, fases de crescimento, propostas realizadas, estratégias, até chegar ao momento presente. Aí se fala de clientes: como são, o que esperam e “o que buscam quando fazem negócio conosco”.

Controlar todo mundo e pensar que por isso todos farão a coisa certa é ilusão. Aprenda que é melhor o seu funcionário sentir-se bem e, por isso, decidir o melhor para a empresa do que dar a ele motivos para se vingar através do atendimento ao cliente. 

Instrução e educação são indispensáveis... muito melhor do que deixar o colaborador adivinhar o que deve ser feito.

Ler Mais

Image

É DESSA CULTURA QUE A SUA EMPRESA PRECISA

Abraham Shapiro

Você quer crescer? Refiro-me à empresa. Aqui vão os três sintomas de que a sua empresa não está organizada o suficiente para atender seus clientes e provocar a satisfação que poderia. 

1º sintoma: Os funcionários pensam que atender clientes seja uma tarefa do departamento de vendas ou marketing.

2º sintoma: A empresa não tem um programa de treinamento que crie e desenvolva um claro entendimento de  “o que é um cliente”, ou que fale francamente quem são e o que esperam do negócio.

3º sintoma: A empresa não reconhece os funcionários que dão tratamento excepcional ao cliente.

Deixe-me explicar por um exemplo. 

Ter o pessoal da contabilidade lidando com papéis, os engenheiros criando projetos e os mecânicos executando montagens  os faz pensar que “atendimento” é tarefa para vendas e marketing.

Porém, qualquer departamento, qualquer área da empresa poderá prejudicar a vida do cliente. Ele fica furioso com um defeito no produto, com o atraso na entrega ou com a nota fiscal emitida errada.  Ele poderá não voltar mais por isso. E não foi culpa do marketing e nem do departamento de vendas. E mais. Talvez nem um desses dois departamentos poderá tomar uma medida que mitigue este fato. 

Percebeu agora o valor de criar e disseminar a “cultura do cliente”? Sem isso empresa alguma cresce hoje em dia. 

Foi-se o tempo de “faça uma ratoeira melhor e você terá fila de compradores à porta da sua fábrica”.

Apesar do trabalho,  nenhum outro investimento será mais saudável e marcante para atingir aqueles resultados que, há anos, você não tem conseguido. 

Ler Mais

Image

O DIAGNÓSTICO PATÉTICO DE MUITOS NEGÓCIOS DE HOJE

Abraham Shapiro

Eu e você andamos por empresas e lojas suficientemente para notarmos coisas como: 

- atendimento desgraçado, 

- funcionários sem treinamento e que não sabem desempenhar seu papel, 

- pessoas que se desentendem com os clientes, 

- comunicação sofrível, 

- gerentes  preocupados com a própria pele (...e a empresa que se dane!), 

- patrões despreparados... enfim.

Mas sabe o que é espantoso em tudo isso? Todos os envolvidos têm consciência de que este quadro precisa mudar. Sabe por que não superam?

É que isto requer mais do que simples mudanças ou transformações.  Até porque  toda ideia de mudança está ligada à troca ou alteração do que está aparente.

Mas a solução tem de ir muito além disso. Implica em uma revolução cultural. Refiro-me à revolução na cultura – acultura que se formou com as crenças não provadas, com os valores invertidos, com as teorias “furadas” sobre como é o mundo etc.

Neste cenário, novos processos e novas ferramentas não funcionam mais.

Hoje em dia, qualquer negócio necessita de habilidades novas, capacidades novas, de  outras percepções, novos sentimentos e comunicação. 

Isto é urgente. 

Quem não correr em mudar o quanto antes, estará acumulando  perdas que, em pouco tempo, só poderão ser calculadas numa calculadora científica.

_______________________________

Abraham Shapiro é consultor de empresas e Executive Coach com especialidade na sucessão em empresas familiares. Fone | Whatsapp: 43 8814 1473 Email: shapiro@shapiro.com.br 

  

Ler Mais

Image

FUNCIONÁRIOS ESTÚPIDOS

Abraham Shapiro

Quantos funcionários estúpidos estão no quadro da sua empresa?  Estúpido significa  pouco inteligente ou burro. 

Se você não sabe, devia. E se pensa não haver nenhum, continue lendo, por favor. 

Eu e um amigo estávamos num famoso café da cidade. Fiquei no cafezinho espresso enquanto ele pediu um sanduíche de queijo, tomate e folhas de alface em pão de forma -  detalhe : sem presunto. 

Então perguntei ao graçom: 

- “Você não vai anotar o pedido?”

Ele apontou sua cabeça com o dedo indicador, alegando, por mímica, que sua memória dispensa anotações. 

Resultado: veio o presunto. É claro. É a receita que estava no cardápio e a cozinha só o tiraria se houvesse uma anotação clara.

Meu amigo mandou trocar.  De novo o mesmo erro. Só no terceiro sanduíche o pedido veio certo. 

Tudo podia ser diferente se o estúpido garçon não confiasse em sua memória de pernilongo ou percevejo.

Agora pense comigo. Se este garçom sozinho faz isto, imagine quanto prejuízo não causam todos juntos. Inclua cozinha, caixa, atendimento telefônico...

Há alguém na sua empresa que contabilize os erros que os funcionários cometem? 

O futuro de qualquer negócio depende do valor que se dá a cada coisa, a cada procedimento e atitude. É uma somatória. 

Quando os funcionários sabem que é importante melhorar o desempenho porque lhes foi insistentemente falado e ensinado, isso se incorpora na vida deles. Então saberão que nesta empresa é assim  e passarão a filosofia aos novatos como sobreaviso. Torna-se uma cultura.  

No entanto, quando ninguém jamais se preocupa com melhorias, nem se toca no assunto, a lição subliminar que fica é que “tanto faz”. E eles pensarão: “Por que fazer melhor?”  

Existem mais razões porque eventualmente o seu negócio não esteja indo bem do que todas aquelas suposições místicas que você imagina ou cria. Pense mais e melhor nisso.

Ler Mais

Image

O MÉTODO CARTESIANO

Abraham Shapiro 

O Método Cartesiano, criado por René Descartes, consiste no Ceticismo Metodológico, ou seja,  duvida-se de cada ideia que pode ser duvidada. 

Descartes institui a dúvida: só se pode dizer que existe aquilo que possa ser provado. 

O próprio Descartes consegue provar a existência do próprio eu quando afirma: “penso, logo existo”, considerando o ato de duvidar como indubitável.

O Método também consiste na realização de quatro tarefas básicas: 

1.    Verificar se existem evidências reais e indubitáveis acerca do fenômeno ou coisa estudada. 

2.    Analisar, ou seja, dividir ao máximo as coisas em suas unidades de composição fundamentais e estudar essas coisas mais simples que aparecem. 

3.    Sintetizar, ou seja, agrupar novamente as unidades estudadas em um todo verdadeiro. 

4.    Enumerar todas as conclusões e princípios utilizados a fim de manter a ordem do pensamento.

Ler Mais