Image

CHEGA DA BESTEIRA DO COPO MEIO CHEIO OU MEIO VAZIO

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Li recentemente um texto de autoria do escritor Mark Manson. Ele diz que, no início da década de 1960, virou moda desenvolver uma ‘autoestima alta’ — ter boa autoimagem e se sentir bem consigo mesmo. Naqueles dias, os psicólogos concluíram que as pessoas que se consideravam admiráveis tendiam a se sair melhor e ter menos problemas.

Estudiosos e legisladores da época acreditaram que aumentar a autoestima da população traria benefícios sociais como: redução da criminalidade, melhora no desempenho acadêmico, geração de empregos e até redução do deficit no orçamento.

Em 1970, as práticas relacionadas à autoestima começaram a se alastrar.

As notas escolares dos estudantes com baixo desempenho eram elevadas artificialmente para que não se sentissem tão mal. As crianças recebiam deveres de casa inúteis, como escrever as características que as tornavam especiais. Pastores e sacerdotes diziam a suas congregações que cada um ali era especial aos olhos de Deus, que todos estavam destinados a se destacar e a superar a mediocridade. Seminários empresariais e motivacionais ensinavam que cada um de nós pode ser excepcional e extremamente bem-sucedido.

Hoje, somos a geração que colheu os frutos daquele “show”. Não somos todos excepcionais e sentir-se bem consigo mesmo não significa nada, a não ser que você tenha um bom motivo para isso.

O que sabemos, sim, é que adversidade e fracasso são úteis e até necessários para o desenvolvimento de adultos determinados e bem-sucedidos.

O verdadeiro valor de uma pessoa não é medido pelo modo como ela vê as experiências positivas, e sim as negativas. Quem nutre uma boa autoestima verdadeira enxerga com honestidade suas partes negativas e age a fim de se aprimorar.

O que quero dizer é: chega daquela ilusão imbecil de só enxergar a parte cheia do copo, afinal, em qualquer ponto do Planeta onde exista ar, o copo jamais estará vazio.

Ler Mais

Image

O SEGREDO AINDA NÃO REVELADO DO SUCESSO

ABRAHAM SHAPIRO para o PortalProfissão Atitude

Numa cidade da Noruega, em 2009, uma empresa coordenou a queda de mais de 4 milhões e 400 mil peças de dominós, batendo o recorde como a maior do mundo. Uma única peça colocou em movimento uma sequência de quedas que deflagrou algo em torno de 94.000 Joules de energia, correspondente a 545 flexões de braço de uma pessoa de estatura média.

Numa estrutura desse tipo, cada dominó em pé representa uma pequena porção de energia potencial. Quanto mais alinhados, mais energia é acumulada. Então, com um simples toque inicia-se uma reação em cadeia de poder incrível.

Um professor de Física da Califórnia, nos Estados Unidos, provou que um dominó em queda pode não só tombar outro de mesmo tamanho, mas um que seja 50% maior. Na sucessão que ele montou, o primeiro tinha 5 centímetro, e o último, a ser derrubado quase 1 metro de altura.

Imagine o que aconteceria se essa progressão continuasse sem parar. O resultado poderia desafiar a imaginação. Vamos a uma simulação simples. O 10º dominó teria quase dois metros altura. O 18º seria uma peça do tamanho da Torre de Pisa. O 23º, como a Torre Eiffel. O 31º, quase mil metros mais alto que o Monte Everest, e o 57º teria a altura da distância entre a Terra e a Lua!!!

Isto não é uma aula de Física e nem uma página de curiosidades. O que desejo comunicar? Pare de ser disperso e querer fazer tudo. Trabalhe com foco. Viva com foco. Concentre-se em cada coisa que fizer e, assim como uma pequena peça de dominó em queda, você verá a energia que é capaz de liberar como resultado disso.

 

Ler Mais

Image

O BOM É BOM... SÓ ISSO!

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Eu já me cansei do perfeccionismo de tantas pessoas. Elas são risíveis e enervantes. Concebem um ideal de ser que, de cara, é incompatível à própria natureza humana; mas elas insistem. Não que devamos desprezar a perfeição. Atingi-la, contudo, é outra história. Pior quando a requerem dos outros.

Todo perfeccionista é exagerado e deseja fazer tudo ao mesmo tempo. Acontece que este é o caminho mais fácil, largo e curto para transformar coisas potencialmente boas em ruins, pois sempre há limites de recursos, de tempo, de capacidade, de foco etc. Enquanto cada uma dessas limitações não for superada criteriosamente em qualquer processo, não se chega sequer ao estado bom de qualidade – que dirá ao ótimo.

Eu observo ser difícil alcançar o sucesso até mesmo quando se executa uma tarefa de cada vez. Cinco ou doze simultaneamente deixaria em apuros Leonardo da Vinci ao tentar levá-las a cabo.

O que aprender disso? Eu penso ser o ‘ótimo’ o melhor e mais desejável de todos os resultados, concorda?   Mas para que se chegue ao ótimo é  preciso cortar muito daquilo que nos parece bom.

As coisas melhoram quando reduzidas ou cortadas. Diretores cortam boas cenas para lançar um grande filme. Músicos descartam faixas boas para fazer um CD excelente. Escritores eliminam boas páginas para publicar um livro excepcional. Resta-nos, portanto, imitá-los e seguir a experiência.

Corte, elimine, extirpe o que é apenas bom. Assim é que se chega a um status elevado sem que se pretenda a inatingível perfeição, pois, como já se constatou em tantas circunstâncias, o bom é inimigo do ótimo.

Ler Mais

Image

NEGUE-SE A FRACASSAR

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Já observou que no mundo dos negócios o fracasso se tornou um “ritual de passagem”?

Eu ouço o tempo todo que nove entre dez empresas novas não vingam ou que as chances de certo projeto dar certo são quase zero. E o anexo deste mau agouro traz de brinde-surpresa aquela filosofia de boteco, que diz: “o fracasso molda o caráter”.

Sim, o insucesso está em alta. E eu lamento por todos os que se deixam levar por esta droga de pensamento.

Leia bem o que venho a dizer hoje: Não dê bola para estatísticas.

O fracasso dos outros é apenas isto: o fracasso dos outros. Se eles não conseguem vender, isso não tem nada a ver com você. Se eles são incapazes de formar uma equipe, cobrar bom valor pelos serviços que prestam e ganhar mais do que gastam, o problema é deles, não seu.

Outra coisa que falam a torto e a direito é que devemos aprender com os erros.  Não direi estar errado. O problema é que faz pensar ser o fracasso um pré-requisito do sucesso. E não é. Sabe o que devemos aprender inequivocamente dos nossos erros? Não fazê-los de novo.

Um estudo da Harvard Business School constatou que empreendedores bem-sucedidos têm 34% de chances de acertar novamente. Já, aqueles cujos negócios fracassaram da primeira vez, terão na próxima empreitada quase o mesmo índice de sucesso que aqueles  que nunca abriram uma empresa, a saber: 23%. 

Portanto, a experiência que importa é a experiência do sucesso.

Aprenda com os seus acertos e bons resultados. Neles é que se encontra a sabedoria de que você mais carece. Repita-os.  E, desta vez, tente fazer melhor.

E se você estiver revoltado ou contrariado com o que levanto na coluna de hoje, largue mão de ser ranzinza, pois é exatamente assim que a natureza funciona. A evolução não se presta a examinar fracassos passados, mas a desenvolver aquilo que deu certo. Siga este exemplo!

Ler Mais

Image

DECIDA SOBRE AS RESPONSABILIDADES DA SUA VIDA

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Você tem uma reunião daquelas que fazem pensar: - “Por que eu deveria ir?” 

Pois bem. - “O que acontecerá se você não comparecer?”

Nada? Então talvez você não deva ir mesmo.

- “Alguém vai ficar irritado ou achar que você é vagabundo? Ou, pior ainda, você corre o risco de ser demitido?”

Nestes casos, engula o sapo e enfrente essa tal reunião!

Mas sabe o que aconteceu ao fazer estas perguntas?

Algo espetacular. Você deu a si mesmo a oportunidade de pensar e decidir sobre “o que fazer na sua vida”.

Tente fazer isto sempre: pensar.

É claro que vai exigir que você seja uma pessoa resoluta, um tanto difícil nos dias de hoje em meio a  duas mil mensagens instantâneas por hora, trabalho inútil imposto por outros ou por nós mesmos; regras imbecis sobre o tempo – como aquela de que  precisamos trabalhar tantas horas por dia sem considerar o quê, de fato, é feito ao longo desse tempo –  e muito mais.

A mensagem que eu desejo transmitir é: não perca a oportunidade de raciocinar sobre como você vai usar o seu tempo. Enquanto não souber ao certo quais responsabilidades assumir e seus reais efeitos, aplique o filtro das duas perguntas-chave:

- “Por que eu deveria fazer isso?” e

- “O que acontecerá se eu não fizer?”.

Assim você aprenderá, aos poucos, a discernir entre obrigações necessárias e desnecessárias. Só então estará apto a dizer “não” ao maior número possível de obrigações inúteis ou improdutivas.

Ler Mais

Image

O QUE EU PROCURO, ACHO!

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Alguns dirão que é Psicologia. Mas é uma simples  e óbvia constatação da vida que agora divido com você.

Quando eu estou feliz, vejo felicidade nos outros.

Quando sinto compaixão, vejo o mesmo nas outras pessoas.  E se eu estiver cheio de energia e esperança, verei muitas oportunidades à minha volta.

O azar é que o contrário também é verdade. Se eu estiver com raiva, tudo me irrita de graça.  E quando deprimido, vejo tristeza nos olhos de quem me rodeia.

Desânimo torna o mundo um lugar chato e sem atrativos aos nossos olhos.

Se eu for de carro a Campinas e disser: “Que lugar mais apinhado, bagunçado, que trânsito caótico!”, estarei na verdade expressando quanto eu estou interiormente apinhado, bagunçado e congestionado naquele momento. Se estivesse motivado, poderia tranquilamente me pegar dizendo: “Uau! Como esta cidade progride! Já é uma metrópole!”  Novamente eu estaria descrevendo a minha paisagem interior, não a de Campinas.

Quero dizer que a nossa automotivação depende da forma como escolhemos ver as circunstâncias da nossa vida. Sabe por quê? Nós não vemos as coisas como elas são, mas como nós somos.

Em qualquer situação, podemos ir em busca do ouro ou tentar encontrar a sujeira. Isto é o que significa a frase: “Quem procura acha.”

Então opte por oportunidades boas.  A escolha é sua.  As nossas oportunidades irão se multiplicar muito  a partir do momento em que nós dois decidirmos enxergá-las.

Ler Mais

Image

COMO VOCÊ ESTÁ CONSTRUINDO O SEU FUTURO?

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Pesquisa recente nos Estados Unidos concluiu que, entre as competências pessoais necessárias para que o país continue líder mundial neste século está o gerenciamento da informação por meio da comunicação oral e escrita, ou seja, capacidade de ler, falar e escrever bem.

A necessidade de desenvolver estas habilidades é séria, até  porque passamos a maior parte do tempo defendendo os nossos pontos de vista, falando com pessoas e tentando motivá-las.

Todos já sabem que o mais importante não são as informações em si que adquirimos, mas o ato de transformá-las em conhecimento. Informações são tijolos; conhecimento é o edifício que construímos com eles.

Então eu pergunto: Onde é que você tem buscado os seus tijolos? Só nas mídias?  Já é alguma coisa, sim. Mas será isso bom?

Permita-me ser muito franco e ir direto ao ponto. Quantos livros você leu nos últimos seis meses? –  livros que formaram novos pensamentos e modelos mentais no seu cérebro.

E literatura? Não me refiro a best-sellers, mas aos clássicos. Você já leu, por exemplo, Thomas Mann, Goethe, Machado de Assis ou Baltasar Gracian? Parece tarefa de escola? Não, não é.  Hamlet, de Shakespeare, é uma peça de teatro que se lê em dois dias! E quanta coisa se aprende sobre o caráter humano ao lê-la!

Eu lhe trago esta dica, hoje, porque a cultura de massa é perigosa demais. Ela nos oferece uma espécie de “visão tubular” das coisas. É como se olhássemos apenas a parte da realidade que ela nos permite olhar e do modo como ela quer que nós a interpretemos.

Não fique apenas nas mídias. Vá além. Busque novas visões. Leia mais. Estude mais. O seu futuro e a qualidade dele estão nisso.

Ler Mais

Image

NEM SEMPRE OS ARGUMENTOS RESOLVEM

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

"Políticos são iguais em todo lugar. Eles prometem construir pontes mesmo onde não há rios."

Esta frase foi dita por Nikita Kruschev, que se tornou um dos homens mais poderosos do mundo quando liderou a extinta União Soviética durante 11 anos.

Em 1953, com a morte de Joseph Stalin, Kruschev participou e venceu a disputa interna pela sucessão daquele ditador, tornando-se líder do Partido Comunista. Tomou medidas que desagradaram seu partido. Entre elas, denunciou o culto à personalidade de governos anteriores ao dele.

Certa vez, um sujeito interrompeu Khrushchev no meio de um discurso em que ele denunciava os crimes de Stalin.

- “O senhor foi colega de Stalin”, gritou o sujeito, “por que não o impediu na época?”

Khrushchev aparentemente não podia ver o fulano e rosnou:

- “Quem disse isso?”

Ninguém levantou se manifestou. Ninguém moveu um músculo sequer.

Passados alguns segundos de silêncio constrangedor, Khrushchev disse com voz tranquila,

- “Agora você sabe por que eu não impedi Stalin.”

Este episódio entrou para a História e é uma grande lição de comportamento.

Em vez de simplesmente argumentar que qualquer pessoa diante de Stalin teria medo, sabendo que o mais leve sinal de rebeldia significava morte certa, Krushchev fez sentir o que significava enfrentar Stalin. Ele fez os presentes sentirem a paranóia, o terror de falar em voz alta, o pavor do confronto com o líder, neste caso, Khrushchev. A demonstração foi cabal e nunca mais se discutiu este tema.

A lição presente neste episódio é válida para todos e em qualquer circunstância: “A forma de persuasão mais eficaz é a atitude”.

Guarde bem isso e, se possível, transforme em regra de comportamento: “Atitude e exemplo fazem as pessoas entenderem coisas aparentemente impossíveis sem que você tenha de dizer uma só palavra”.

Ler Mais

Image

UM PODER MAIOR DO QUE A FALA

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

"Políticos são iguais em todo lugar. Eles prometem construir pontes mesmo onde não há rios."

Esta frase foi dita por Nikita Kruschev, que se tornou um dos homens mais poderosos do mundo quando liderou a extinta União Soviética durante 11 anos.

Em 1953, com a morte de Joseph Stalin, Kruschev participou e venceu a disputa interna pela sucessão daquele ditador, tornando-se líder do Partido Comunista. Tomou medidas que desagradaram seu partido. Entre elas, denunciou o culto à personalidade de governos anteriores ao dele.

Certa vez, um sujeito interrompeu Khrushchev no meio de um discurso em que ele denunciava os crimes de Stalin.

- “O senhor foi colega de Stalin”, gritou o sujeito, “por que não o impediu na época?”

Khrushchev aparentemente não podia ver o fulano e rosnou:

- “Quem disse isso?”

Ninguém levantou se manifestou. Ninguém moveu um músculo sequer.

Passados alguns segundos de silêncio constrangedor, Khrushchev disse com voz tranquila,

- “Agora você sabe por que eu não impedi Stalin.”

Este episódio entrou para a História e é uma grande lição de comportamento.

Em vez de simplesmente argumentar que qualquer pessoa diante de Stalin teria medo, sabendo que o mais leve sinal de rebeldia significava morte certa, Krushchev fez sentir o que significava enfrentar Stalin. Ele fez os presentes sentirem a paranóia, o terror de falar em voz alta, o pavor do confronto com o líder, neste caso, Khrushchev. A demonstração foi cabal e nunca mais se discutiu este tema.

A lição presente neste episódio é válida para todos e em qualquer circunstância: “A forma de persuasão mais eficaz é a atitude”.

Guarde bem isso e, se possível, transforme em regra de comportamento: “Atitude e exemplo fazem as pessoas entenderem coisas aparentemente impossíveis sem que você tenha de dizer uma só palavra”.

Ler Mais

Image

A ANTIGA E SEMPRE ATUAL TRADIÇÃO DA POUPANÇA

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Muitas crianças têm ou já tiveram um cofre em formato de porquinho. Talvez você.

Por que um porco, e não um gato ou cachorro?

Uma das explicações diz que na Inglaterra medieval as pessoas utilizavam ânforas e jarros em suas cozinhas feitos de um tipo especial de argila chamada “pygg”. Elas costumavam guardar o dinheiro que poupavam no dia a dia dentro desses vasos. Com o tempo, o som de pygg tornou-se idêntico a pig, que significa porco, e estes recipientes tornaram-se conhecidos por “pygg banks”. Não tardou a que um empreendedor tivesse a brilhante ideia de criar um pygg bank em forma de porco –  ideia que se estendeu ao mundo graças ao amplo domínio colonialista britânico.

Outro fato histórico associado é que os primeiros banqueiros da Europa capitalista eram Judeus. A religião Judaica proíbe a ingestão de suínos. Os vários governos do Velho Continente, interessados em perseguir este povo, induziam suas populações ao ódio gratuito. Um dos itens empregados nesta ideologia de maldade foi o cofre em formato de porco. 

O cofre porquinho clássico é representado na cor rosa e feito em argila. Antigamente, quando cheio, devia ser quebrado para, então, revelar a pequena fortuna que as crianças aprendiam a acumular por semanas e meses. Hoje, as variadas versões vêm com uma tampa removível, fazendo-o reutilizável.

Tornou-se popular, e é lindo. Cofre que se preze, tem que ser porquinho. O mais importante e louvável, no entanto, continua sendo a atitude ditada pela antiga máxima: “Quem poupa tem!”

Ler Mais

Image

A RELAÇÃO ENTRE DIZER 'NÃO' E A PRODUTIVIDADE PESSOAL

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Ouço queixas de gerentes e executivos em empresas por suas vidas estarem dispersas e sem rumo. Eu sei exatamente o que acontece com todos eles. Eles se sentem drenados pelas solicitações de pessoas que aparecem à porta de sua sala dizendo: “Tem um minuto?” Após isso, eles veem um dia inteiro ir embora sem produzir nenhum fruto.

A solução para este problema está na Bíblia.

O Rei Salomão disse que a diferença entre o homem e o animal é nula. Quando fui pesquisar o texto original, descobri algo fantástico. Ao pé da letra,  o que o homem mais sábio do mundo disse, foi: “Pois a diferença entre o homem e o animal é ‘não’”.

Traduzindo. Só o homem tem a seu dispor a faculdade de dizer “não” frente a algo que o ameace ou o ponha sob risco. Um animal diabético não se recusa a comer doces. Mas um homem, se quiser, sim.

Olhe para uma turma de estudantes colegiais. Aqueles que dizem “não” ao comportamento de manada predominante no grupo serão os líderes no futuro.

Aprenda a dizer “não” nas ocasiões em que você estiver impossibilitado ou que o ameaçarem a tirá-lo fora dos seus objetivos. E quando aprender a fazê-lo, ensine aos demais à sua volta. Focar no trabalho depende de dizer não a muitas coisas não importantes.

Na vida é preciso saber o que se quer. Nada se consegue sem isso – nem mesmo os frutos de um só dia de trabalho!

Ler Mais

Image

É HORA DE DESPERTAR

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Há uma regra que diz: “É preferível fazer algo a não fazer nada”. Bem, nem sempre. Se você estiver em vias de assaltar um banco para torrar todo o dinheiro em pizza,  será interessante pensar noutra forma de comer pizzas.

Em termos gerais é comum nos arrependermos mais daquilo que não fizemos do que das situações em que atuamos.

Toco neste assunto porque vejo muitas pessoas começarem a pensar em deixar um legado só no fim da vida. Se você ainda não chegou a esse ponto, que tal pensar desde já no que deseja deixar para os outros? Depois disso, você poderá viver com esta visão em mente.

Se não souber dar o primeiro passo, pense naquilo que mais o(a) motiva. O que faz você se levantar todas as manhãs? O que é que mais o(a) entusiasma a fazer?  

Ouvi a história de um cacique famoso por curar insônia. Um executivo estressado que não conseguia dormir finalmente encontra este líder indígena na floresta e lhe pede ajuda. O cacique dá suas instruções e duas semanas mais tarde o executivo envia uma correspondência dizendo que foi curado.

- “Muito obrigado! Tenho dormido muito bem!”, diz o recado.

Então o cacique manda sua resposta, em que diz:

- “Sem problemas. Volte quando estiver pronto para acordar”.

Moral da história: Não vale a pena levar a vida sem a consciência de um propósito. Se você estiver vivendo como um sonâmbulo, chegou a hora de despertar.

Ler Mais

Image

EVITE DISCUSSÕES A TODO CUSTO

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Não discuta.  Tome atitudes que demonstrem a sua convicção em lugar de discutir.  

Sabe por quê?  Vencer uma discussão é a vitória mais enganosa que existe. O ressentimento e a má vontade que você desperta são mais fortes do que qualquer mudança momentânea de opinião.

Quando um funcionário discute com seu  superior, por exemplo,  coloca em dúvida a inteligência de alguém mais poderoso. Ele se esquece com quem está falando. Além disso, todo homem acredita estar certo.  Então, não há palavras que o convençam do contrário. Argumentar é lançar palavras em ouvidos surdos.

Em lugar de discutir, aprenda a demonstrar a convicção das suas ideias indiretamente. Julgue  os seus movimentos pelos efeitos a longo prazo sobre as outras pessoas. Porém, jamais entre na rota de provar que está certo ou de conseguir uma vitória com argumentos. Você não sabe como vai afetar as pessoas com quem está discutindo, ainda que pareçam concordar por educação.

Fazer os outros concordarem com você por suas atitudes, sem dizer nada, é mais eficaz.

Palavras custam um tostão o quilo. No calor da discussão, nós todos falamos qualquer coisa para defender a nossa causa – citamos a Bíblia, mencionamos estatísticas não averiguáveis e filosofamos. Mas isso é como palha ao vento. Portanto, escolha o melhor caminho: demonstre, não argumente.

 

Ler Mais

Image

O PROBLEMA É O CLIENTE

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Numa produtora de vídeos, o editor cometeu uma série de falhas. Quando o chefe constatou os vários defeitos, questionou o funcionário sobre o que havia acontecido. O rapaz apresentou uma avalanche de desculpas e concluiu dizendo que o problema não estava nele e nem nos demais colegas que faziam parte do projeto, mas sim no cliente.

Sem acreditar no que acabara de ouvir, o chefe pediu que repetisse. E o funcionário novamente disse:

- “O problema é o cliente!”

Não sei com você, mas isso mexe com os meus nervos.

Para quê existe qualquer negócio neste planeta? Phillip Kotler, um dos papas do Marketing, responde: “De modo bem simples, podemos dizer que um negócio supre necessidades lucrativamente”.

De quem seriam estas necessidades? Ora. São as necessidades dos clientes.

Sem clientes negócio algum existe ou subsiste. Mas aquele editor de vídeos chegou ao cúmulo de dogmatizar que “o problema é o cliente”.

Creio que, do jeito como a concorrência anda brutal, os negócios escassos e as margens apertadas, muito em breve chegará o dia em que um doido que afirme uma insanidade dessas será surrado em praça pública. E a meu ver, este aí até que merecia já.

Mas enquanto estúpidos vagueiam impunes a dizer tolices por aí, minha dica ao chefe deste pseudo-profissional  é que o demita sumariamente e lhe pague todos seus direitos, já que a lei deste país não chegou à maturidade de reconhecer que o desrespeito à “majestade do cliente” é  situação inegável e legítima de demissão por  justa causa!

 

 

Ler Mais

Image

PROBLEMAS SÃO BÊNÇÃOS

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

 

Para toda solução há um problema. Você já deve ter ouvido isso antes. Mas por que as pessoas dizem  que detestam problemas? Por que desejamos uma existência sem obstáculos?

Lá no fundo, onde mora a nossa sabedoria, sabemos que os problemas são benéficos para nós.  De algum modo também entendemos que eles fazem bem para os nossos filhos.  Mas nós nos comportamos de forma tão irracional diante deles que tendemos a fugir em vez de lutar para resolver e superá-los. E com isso, eles passam a nos parecer monstros vivendo embaixo da cama.

Problemas não são maldições. Não precisamos temê-los. Eles são como jogos difíceis para a mente. E você sabe que mesmo os grandes mestres do xadrez, por exemplo, sempre ficam ansiosos por uma partida.

O Dr. Andrew Weil foi um dos maiores estudiosos sobre a cura natural e considerado um guru dos médicos americanos. Ele sugeriu que encarássemos até mesmo a doença como uma dádiva. Em um de seus textos, ele escreve: “A doença pode ser um estímulo tão poderoso à mudança que às vezes é a única coisa capaz de forçar algumas pessoas a resolverem seus conflitos mais profundos.”

Enquanto você encarar os seus problemas como maldições, será difícil encontrar a motivação que você procura na vida. Por outro lado, aprendendo a amar as oportunidades que os seus problemas lhe apresentam, a sua energia motivacional certamente vai aumentar e será mais fácil você atingir os seus objetivos.

Ler Mais

Image

A REVOLTA DA VACINA

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Poucos brasileiros conhecem a Revolta da Vacina. Foi uma rebelião popular de quatro dias no Rio de Janeiro em novembro de 1904, quando Oswaldo Cruz, diretor da Saúde Pública do governo Rodrigues Alves, quis vacinar a população da cidade contra a febre amarela.

As pessoas imaginavam que a doença seria inoculada em cada uma delas E entraram em pânico. Dizem que inclusive Rui Barbosa posicionou-se contra a medida, alegando constrangimento das mulheres em expor o braço nu para os enfermeiros. Os cariocas, inflamados, levantaram barricadas, destruíram a iluminação pública e incendiaram bondes.

Sabe qual a causa real desta reação histórica? Foi o conjunto de crenças de todas as classes sociais que forma a opinião pública, chama-se “senso comum” e é um fato presente no dia após dia de cada indivíduo por todas as gerações, desde a Criação do mundo.

Um exemplo atual? Tanto a pessoa humilde e analfabeta quanto o executivo graduado estão dizendo que os políticos, em geral, são corruptos. Isto advém do grande volume de notícias sobre fraudes de alguns políticos, que leva a população a projetar para todos os demais.

O senso comum tem o poder de dar sentido à vida cotidiana e de manter o status vigente. Mas ele também pode ser negativo e polarizado, gerando radicalismo. Uma dessas consequências negativas é a  resistência às inovações – como ocorreu com a campana de vacinação contra a febre amarela.

Enquanto não formos capazes de quebrar a resistência que o senso comum impõe contra o novo, nada de novo acontecerá. E isto, vá por mim, muitas vezes se traduz em prejuízo para todos!

Ler Mais

Image

VOCÊ NÃO VAI ABRAÇAR O MUNDO

ABRAHAM SHAPIRO para o Blog Profissão Atitude

Vou partilhar um fato óbvio e pouco percebido que descobri durante os meus vinte anos de acompanhamento de gestores e líderes em treinamento e aconselhamento. 

A maior parte do stress que as pessoas vivenciam é proveniente de compromissos mal administrados que assumem ou aceitam.

Mesmo quem não está conscientemente estressado, mas sente-se aquém de seu potencial, há de experimentar um relaxamento maior, uma concentração melhor e uma energia produtiva cada vez mais poderosa à medida que aprender a controlar com eficiência progressiva os “veios abertos” de sua vida.

Observe o volume de coisas sobre as quais você sente ter mínima incumbência de  transformar, concluir, cuidar ou fazer. Você está comprometido, por exemplo, em atuar de alguma maneira sobre as mensagens que chegam à sua caixa de  e-mails ou pelo seu  Whatsapp. E com certeza há vários projetos que você tem de conduzir, assim como diretrizes a esclarecer e metas a atingir. Além de tudo, resta a sua carreira a ser administrada e, mais importante,  a vida – a ser mantida em equilíbrio.

Não é assim?

Para lidar com tudo isso, você precisa, primeiro, identificar os itens sobre os quais você tem real compromisso. Em segundo lugar, eu sugiro que planeje como irá prosseguir trabalhando com eles, aprendendo a definir as prioridades com que irá se preocupar realmente.

Este breve algoritmo tem o poder de pôr ordem no seu dia a dia e de organizar a sequência de necessidades a cumprir na mente. É melhor contar com esta organização do que ser vítima de uma avalanche de situações descontroladas sobre si.

Pare de encarar tudo com preocupação e ansiedade, porque é impossível abraçar o mundo. Ou você elege prioridades e trabalha séria e organizadamente sobre elas, ou acabará tragado pelas urgências e eventualidades que ninguém, neste planeta, é capaz de controlar. Inclusive você!

Ler Mais

Image

A CONQUISTA PROFISSIONAL DE UM ESTAGIÁRIO

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Murilo é um jovem formado há pouco tempo em Marketing e integra uma equipe numa das maiores empresas de alimentos do país. Foi estagiário por quase um ano. Em janeiro de 2018 foi efetivado na função de assistente de sua área.

Em fins de fevereiro, ele transmitiu uma mensagem surpreendente a seu chefe. O gerente jamais esperava algo parecido de um novato, pois nem os veteranos agiam daquele modo. A mensagem dizia: “Tive uma ideia e vou começar a trabalhar nela hoje mesmo. Não vai tomar muito tempo nem custar muito dinheiro; e acho que vai funcionar.”

Com apenas três frases Murilo mudou sua vida e influenciou sua organização inteira.

Você provavelmente esteja se perguntando que ideia foi essa. Deve até estar curioso para saber de onde ela foi tirada. Mas são as perguntas erradas.

A ideia referia-se a uma mudança na postura de Murilo que, pela primeira vez em seu primeiro emprego,  decidiu não esperar por instruções ou listas de ‘o que fazer’. Ele passou a  tomar iniciativas de atuar frente a todas as necessidades e demandas diante das quais estivesse.

Murilo mudou de patamar moral naquele dia. Ele saiu do vício típico de esconder-se de responsabilidades e passou a oferecer-se voluntariamente. Deixou de ser um empregado e tornou-se um colaborador, um trabalhador de verdade.

Quer saber? O que o mundo mais precisa hoje é de gente assim.

Ler Mais

Image

DESLIGUE O PILOTO AUTOMÁTICO E PASSE A PENSAR

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Trago hoje uma mensagem a todos os profissionais que me leem – não importa a posição no organograma da empresa onde trabalham.

A mensagem é: não se perca na correria do dia a dia. Não permita que a rotina lhe afaste do controle das suas atitudes. Não permita que as suas tarefas desliguem a sua consciência.

Vou explicar a que me refiro através de um exemplo corriqueiro. Como você escova os seus dentes?  Eu aposto que é uma sequência de ações automáticas: pegar a escova, o creme dental, o movimento da escova na boca começando sempre no mesmo ponto, o tempo para enxaguar, tudo do mesmo jeito sempre, todos os dias.

Imagine agora que, antes de começar esta tarefa, você pare por alguns segundos e pense no motivo porque a faz.  Provavelmente sob este estado de consciência, você obterá uma higiene muito melhor!

Agir pela força do hábito e sem raciocínio específico é o meio mais eficiente de produzir os piores resultados de que somos capazes. Até porque, cada situação da vida e do trabalho exige um diferente grau de consciência. Se você pensa, por exemplo, ser  vermelho a “cor paixão” e verde a “cor da esperança”, ao dirigir o seu carro pelas ruas da cidade você  será obrigado a mudar completamente estas convicções sob o risco de causar um acidente no trânsito.

Em resumo: se você não estiver racionalmente no controle das suas atividades, estará no “piloto automático”. Cuidado. Você pode ter surpresas desagradáveis a qualquer instante.  

Ler Mais

Image

O CORPO FALA... E MUITO!

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

A primeira impressão é a que fica.

O jeito como você se senta ou anda pode ajudar ou atrapalhar a sua carreira.  Em uma entrevista de emprego até o seu aperto de mão é avaliado.

Vou dar aqui a minha contribuição por meio de 5 dicas de linguagem corporal para que o meu querido leitor alcance mais sucesso em sua vida profissional.

1a. Cuide de ter boa postura: isto não é bom só pelo jeito que os outros o enxergam, mas muda a forma como você lida com as coisas ao seu redor. Pessoas que se sentam corretamente recebem mais elogios.

2a. Aperte uma bolinha de borracha com a mão esquerda quando estiver trabalhando sob pressão. Tem que ser com a mão esquerda.  Este exercício trabalha as funções do hemisfério direito do cérebro, onde está a capacidade de concentração.

3a. Relaxe os músculos do seu rosto enquanto lê e-mails.

4a. Cumprimente antes e depois de fechar negócios. Um simples cumprimento transmite a sensação de bom ânimo e cooperação. Pessoas que dão as mãos antes e depois de uma negociação fazem propostas mais justas do que as que vão direto ao assunto, além de passar confiança.

5a. Diminua o seu tom de voz. Quem fala mais baixo tem mais autoridade em um grupo.

As suas palavras e sentimentos fazem muita diferença o tempo todo. Mas não se esqueça de que o corpo também fala – e  muito. Aperfeiçoe e refine os seus gestos, porque eles poderão confirmar ou trair as suas palavras.

Ler Mais