SUCESSÃO E DESAFIOS

Image

Abraham Shapiro

O meu pai contou-me esta história. Uma senhora, já com 90 anos de idade, foi posta num asilo de idosos pelo filho que, ocupado demais com o trabalho, pouquíssimas vezes a visitava.

Certo dia, ele recebe a ligação do médico responsável pela instituição solicitando que fosse ver sua mãe urgentemente, pois seu estado de saúde podia não lhe permitir viver nem pelos próximos três meses.

O filho arranjou um tempo e foi.

Chegando ao asilo, sua mãe se alegrou demais ao vê-lo e logo pediu que trouxesse um ventilador grande para o canto do quarto ou que instalasse um aparelho de ar-condicionado a fim de vencer o forte calor das tardes. Pediu também que ele trouxesse uma poltrona confortável e uma pequena geladeira para conservar frutas e manter água gelada.

O filho sorriu e respondeu:

- Mas mãe, o médico me disse que você está muito debilitada. Eu temo que a senhora nem usufrua desses bens como pretende.

A velha reagiu de pronto:

- Não é por mim que peço, filho. Nada disso será para mim. Eu gostaria que trouxesse estas coisas para que você se sinta bem quando  os seus filhos o trouxerem para viver os seus últimos dias aqui. É com você que eu mais me preocupo. Não comigo.

Eu sou consultor de várias empresas familiares no processo de sucessão. Invariavelmente vejo pais ansiosos em deixar sua empresa na mais perfeita condição para que seus herdeiros a assumam sem que precisem se sacrificar como eles. Contudo, o desejo de isolar problemas leva muitos dos herdeiros a acreditar que o sucesso é como sopa instantânea: já vem pronto e não requer esforço algum.

Boa parte do trabalho, nesses casos, consiste em ajudar estes sucessores a dedicarem um tempo a conhecer a real trajetória de seu antecessor, e o valor que isto adiciona ao atual estágio dos negócios. É a contrapartida em reconhecimento - não só necessária, mas indispensável.

Nós lhes mostramos o benefício disso e os conduzimos a assumirem uma posição de coragem a fim de enfrentar seus desafios com bravura,  porém, jamais sem antes dedicar a consideração e o respeito a devidos a quem lhes abriu caminho para um futuro venturoso. E que ao final do processo, eles tenham adquirido de modo prático e definitivo a mais alta de todas as competências: gratidão.

Compartilhe esta publicação: