PLANEJAR, SIM, MAS ENTENDER COMO AS COISAS ACONTECEM

Image

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Ouvi um diretor dizer: “Estamos indo nesta direção porque é para lá que planejamos ir.”

O lado bom de um planejamento é a tentativa de orientar o futuro a partir do passado. O problema é que isto reduz o campo de visão. Consegue entender?

Quando você se restringe demais ao planejamento, não dá espaço para a improvisação. E ainda que em nível muito baixo é preciso TER e DAR espaço para algum improviso porque oportunidades inesperadas sempre aparecem.

É certo que quem planeja, tem futuro, e quem não planeja, tem destino. É importante pensar no futuro e contemplar formas de enfrentar os obstáculos que virão pela frente. Mas depois de ter visto tantas situações, preciso dizer: não se submeta à ilusão de levar os planos fanaticamente a sério, de modo a nada fazer além do que foi previsto.

E tem mais. Redigir um planejamento extenso é a maneira mais garantida de nunca mais voltar a olhar para ele. Planos com muitas páginas acabam esquecidos em alguma gaveta.

Não pretenda ser adivinho. Decida o que vai realizar esta semana, este mês, nos próximos dois ou três meses....  mas não este ano todo.

Descubra qual é a próxima coisa mais importante a fazer. E faça. Tome decisões antes de implantar algo, mas não com muita antecedência. Os cenários mudam e com eles, somos obrigados a adaptar os nossos planos.

Trabalhar sem planejamento é, de fato, assustador.  Mas seguir cegamente um plano sem constante alinhamento à realidade é pior. Talvez um terror.

Compartilhe esta publicação: