O SEGREDO DA FELICIDADE DE EINSTEIN

Image

ABRAHAM SHAPIRO para o Blog Profissão Atitude


Há um mês, num leilão em Jerusalém, capital do Estado de Israel, um comprador anônimo arrematou por US$ 1,56 milhões uma breve nota escrita à mão por Albert Einstein –  preço recorde para a venda de um documento naquele país.

A história por trás desta nota conta um pouco da perspectiva de Einstein sobre como alcançar a verdadeira felicidade. É fascinante.

Em 1922, ao publicar seu primeiro trabalho sobre a Teoria do Campo Unificado, ele acabara de saber que ganhou o Prêmio Nobel de Física. Em vez de ir à Estocolmo onde tem lugar a cerimônia usual do prêmio, Einstein sentiu-se obrigado a cumprir um compromisso já assumido de ministrar palestras no Japão. Já em Tóquio, ele hospedou-se no famoso Hotel Imperial.

Durante sua visita, um emissário foi a seu quarto para entregar-lhe um pacote. Sentindo-se envergonhado por não ter moeda japonesa para dar gorjeta, Einstein decidiu, em troca, escrever algumas palavras numa folha de papel timbrado do hotel e pediu ao jovem para aceitá-lo em vez de dinheiro, dizendo-lhe: "Guarde isto com você; talvez um dia valha alguma coisa" –  e acrescentou  que o breve texto deveria servir como um bom conselho para o resto da vida do rapaz.

As palavras naquele papel eram:  "Uma vida calma e modesta traz mais felicidade do que a busca de sucesso e riquezas, que quase sempre implica em constante descontentamento".

A pessoa que vendeu a agora famosa nota do Hotel Imperial é um neto do irmão daquele emissário, que vive atualmente na Alemanha.  O porta-voz da casa de leilões, Meni Chadad, disse ao The New York Times que a estimativa de valor do manuscrito situava-se  entre 5 mil e 8 mil dólares.  Quando a venda foi anunciada, o salão explodiu em aplausos incontidos.

Não posso garantir que Einstein estivesse certo em seu ponto de vista. Mas que os muitos bens trazem consigo preocupações demais, isto qualquer pessoa que os tenha poderá testemunhar. E onde entram as preocupações, sai a felicidade.

Seria interessante ponderar a esse respeito e optar por uma alternativa diferente de viver a vida como loucos  em busca apenas de ter coisas.

Compartilhe esta publicação: