CONSULTORIA: NÃO É JOGO DE SORTE

Image

Abraham Shapiro

Consultoria é uma profissão cada vez mais cobiçada por estudantes e profissionais não atuantes no ramo. Uma das razões é o falso pressuposto de que dá dinheiro. Outra é a visão de “país das maravilhas” de um crescente número de desempregados que não se recolocam ou, quando conseguem, sem resgate da posição e salário de antes da crise. 

Tal como novas seitas religiosas proliferam em momentos de crise econômica, pessoas  profissionalmente mal resolvidas acreditam que vestir-se como executivo e empregar terminologia rebuscada darão acesso fácil e rápido ao ganho que o mercado de trabalho lhes nega por possíveis motivos como: falta de competência, por exemplo.  

O problema não se restringe a quem os contrata, mas provoca desgaste à profissão.

Basicamente, existem dois tipos de consultoria: a de sintomas e a de causas.

A consultoria de sintomas trata dos problemas pela aparência. Cobra caro porque é rápida e deixa a sensação de que tudo foi resolvido. Passado um tempo, o mal retorna – às vezes bem pior do que antes.

Uma metáfora pode ajudar. Se alguém tem dor de cabeça e vai a um médico que lhe receita um analgésico, isso talvez traga conforto momentâneo. Mas essa dor podia ser apenas um sinal de algo mais grave que o remédio afastou sem tê-lo curado, de fato. 

A consultoria de causa tem outra atuação. Primeiro conhece o problema em profundidade a fim de discernir a respeito. Depois, busca suas causas e só então as trata até eliminá-las. Naquela mesma analogia, se o médico for profissional, não dará receita alguma sem antes averiguar a origem da cefaleia através de exames e avaliações. Após conhecê-la, determina o tratamento e o implementa até que o paciente seja curado. 

A sabedoria ensina: “Enquanto a origem do problema permanecer, ele não será resolvido”. Simples, porém difícil! 

O que fazer? 

Busque referências antes de abrir a sua empresa à “horda” atual de consultores, mentores, coaches, headhunters, conselheiros, marqueteiros, gurus, pajés e outros. Todo currículo é bonito. Empregue um só indicador para decidir se irá ou não conceder aquela “hora para apresentação” que eles solicitam. O indicador é: resultados anteriores. Quem não os tiver, ou é iniciante, ou pescador de tolos.

Compartilhe esta publicação: