SE FOR PRECISO, DESISTA!

Image

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

As pessoas comuns associam o verbo desistir a fracassar. Errado! São muitas as circunstâncias em que desistir é exatamente a coisa certa a fazer.

A Denise achava que uma tarefa podia ser realizada em duas horas e decidiu executá-la. Passaram-se quatro e ela havia desempenhado apenas um quarto do processo. Nesse momento, ela pensava:

- “Não posso desistir agora que já investi quatro horas nessa atividade!”

Quando acontece isso conosco, temos a forte e atraente inclinação de nos tornarmos heróis. Ficamos obcecados por fazer a coisa dar certo. Então, vestimos a nossa capa e nos isolamos do resto da Humanidade. Às vezes até dá certo. Mas a pergunta a ser feita é: “Vale a pena?” Creio que quase todos responderão: “Raramente.”

No caso da Denise, teria, sim, valido se levasse duas horas, não vinte. Nessas vinte horas, muitas outras coisas podiam ter sido realizadas, e não foram. Além disso, ela não teve a iniciativa de abrir espaço para receber um feedback, o que reforçou sua permanência no caminho errado. É bom lembrar que mesmo os super-heróis precisam de uma segunda opinião. Isso os ajuda  a calibrar o “senso de realidade”.

A lição aqui é: sempre que você sentir que algo está ocupando tempo demais para que seja executado, chame alguém confiável para dar uma olhada. Mesmo não sendo expert, ele ao menos poderá emitir um parecer diferente do seu ponto de vista e fazê-lo pensar melhor. Às vezes uma saída óbvia e viável está bem debaixo do nariz, mas você não enxerga.

Desistir pode, sim, ser a melhor opção em muitas circunstâncias. Reaver o tempo gasto é impossível. Mas ao menos podemos decidir  romper o desperdício de horas detrabalho... e de vida!

 
 

Compartilhe esta publicação: