UM PROBLEMA SÉRIO CHAMADO 'PERFECCIONISMO'

Image

ABRAHAM SHAPIRO para o Portal Profissão Atitude

Um dos grandes livros da administração da minha biblioteca ensina o seguinte:

“Quando se delega e tudo funciona bem, duas coisas acontecem simultaneamente. Primeiro, os seus funcionários assumem parte de seu trabalho e, por sua vez, desenvolvem as habilidades e o potencial deles. Segundo, ao delegar, você reserva tempo e espaço para se dedicar a aspectos mais importantes do seu trabalho, a fim de realizá-lo com sucesso.”

Todo gerente sabe que é preciso delegar tarefas aos subordinados. Muitos, no entanto, não conseguem. As causas são várias. Uma delas é a principal: é uma fraqueza de personalidade destes gestores. E o nome desta fraqueza é perfeccionismo.

Não! Ser perfeccionista não é virtude e nem é bom – na maioria das situações.

Todo perfeccionista vive inseguranças emocionais e tem visão fraca de si mesmo.

Em quase todos os casos, um perfeccionista seleciona e implementa processos com excesso de detalhes e age como controlador desconfiado não por razões técnicas, mas porque isso o faz sentir-se útil e importante.

Ele teme que seus funcionários duvidem de sua competência. Então terá a sua volta funcionários que o admiram, porque tentarão agradá-lo o tempo todo.

Por agir assim, você o verá demitir injustamente colaboradores valiosos e qualificados para a empresa pelo simples fato de não corresponderem a seus padrões. E o pior é que eles irão  correndo para atuar nos concorrentes,  com grandes chances de promoverem acusações de assédio moral ou constrangimentos.

Se você se identifica com esta descrição, busque rápido um tratamento,  pois, como ensina a sabedoria, perfeição, neste mundo, é uma jornada, e não um destino ou ponto de parada específico.

Compartilhe esta publicação: